Banco de informações > Angiostrongilíase (Angioestrongilíase)

 

Angiostrongilíase (Angioestrongilíase)

O Angiostrongylus costaricensis, agente etiológico da angiostrongilíase abdominal. Os caramujos podem transmitir doença chamada de angiostrongilíase, causada por verme nematódeo, que tem como hospedeiro o rato e intermediário o molusco.

Formas de Contaminação
A simples manipulação dos caramujos vivos por crianças, como em quintais e mesmo em pátios de escolas, pode acarretar contaminação, pois os vermes podem ser encontrados no muco corporal dos caramujos. Desprevenido, o ser humano entra no ciclo no lugar do rato, quando come ou tem contato com o muco do molusco contaminado.
Esse risco se potencializa nas áreas urbanas, pois os moluscos intermediários vão para os hospedeiros definitivos, as ratazanas, ou rato-de-esgoto, o rato-de-telhado e o camundongo, com populações enormes em muitos ambientes humanos, notadamente próximo a áreas portuárias como no caso da baixada devido a disponibilidade de grãos, onde são vetores diretos e indiretos de outras doenças humanas.

Sintomatologia
Os sintomas da angiostrongilíase abdominal são dor abdominal, febre prolongada, falta de apetite e vômitos.
O tratamento é complicado pelo fato das larvas e vermes adultos viverem e migrarem dentro dos vasos sangüíneos, sendo que as lesões podem se agravar com a morte desses parasitos. Os efeitos larvicidas de determinadas drogas parecem ser mais eficazes, porém não são úteis no tratamento em angiostrongiliase abdominal, onde as manifestações clínicas podem resultar da maturidade sexual dos vermes.

Profilaxia - Medidas Preventivas
Evitar o contato e a ingestão com o muco do molusco contaminado.

Bibliografia
www.pucpr.br/